Entenda o que é Bioarquitetura

Bioarquitetura: suas principais características e quais são os seus benefícios para os usuários e para o meio ambiente.

Imagem: Shirley Stirling por Pixabay 

 

 

Assine a newsletter
da Universidade Trisul

 

 

Realizar um projeto com baixo impacto ao meio ambiente e que tenha uma grande preocupação com o uso dos recursos naturais têm se tornado uma tendência do setor da construção civil. Neste contexto, a Bioarquitetura tem ganhado cada vez mais espaço no projeto de novos empreendimentos. 

 

Por isso, no post de hoje vamos entender o que é a Bioarquitetura, ver suas principais características e compreender quais são os seus benefícios para os usuários e para o meio ambiente.

 

Afinal, o que é Bioarquitetura?

De acordo com o Portal eCycle, a Bioarquitetura é a arte de proporcionar conforto, beleza e funcionalidade às construções de maneira integrada e harmoniosa ao ecossistema. 

 

Desta forma, o profissional que atua nessa área busca criar edificações mais vivas e mais integradas aos ambientes naturais em que estão inseridas. Além disso, a escolha do projeto não pode ser realizada apenas pela estética, mas também com o objetivo de diminuir a exploração dos recursos naturais, assim como a adoção de práticas mais sustentáveis.

 

Esse conceito não é propriamente recente: ele surgiu por volta da década de 60, quando os arquitetos passaram a priorizar métodos de construção mais sustentáveis e matérias-primas naturais, levando em consideração aquelas que podem ser recicladas ou que vêm de fontes renováveis. 

 

Assim, o conceito de Bioarquitetura consiste também em escolhas de componentes ecológicos para a construção, tais como: 

  • Terra;
  • Pedra; 
  • Areia; 
  • Argila; 
  • Fibras naturais (palhas, sisais, juncos);
  • Cimento queimado. 

 

Esses elementos encontrados na natureza substituem, por exemplo, outros materiais de construção, tais como cimento, tijolos e vigas de concreto que precisam ser transportados por caminhões até o local e, consequentemente, emitem grandes quantidades de CO2 na atmosfera (Fonte: Pensamento Verde). 

 

Além disso, é importante entender que este conceito também prioriza a mão de obra e produtos locais, incentivando a economia local.

 

Diretrizes de um projeto de Bioarquitetura

 

De acordo com a Plataforma Sienge, as diretrizes que orientam o projeto e a construção de edificações dentro dos preceitos da Bioarquitetura são:

  • Eficiência e redução de desperdícios na construção. Por isso, há uma preferência por sistemas modulares;
  • Preferência por matérias-primas renováveis, retornáveis, recicláveis e reutilizáveis (4Rs);
  • Preferência por materiais ambientalmente certificados;
  • Aproveitamento de luz e ventilação naturais para garantir conforto ao usuário;
  • Preferência por materiais e mão de obra local;
  • Gestão eficiente do uso de água. O uso de sistemas para aproveitamento de águas cinzas, por exemplo, é fundamental;
  • Controle e gestão da emissão de resíduos. A reciclagem e o reuso são fortemente incentivados pela bioarquitetura, incluindo o uso de biodigestores;
  • Uso de energias renováveis, como a fotovoltaica. 

 

Sistemas presentes na Bioarquitetura

Vamos ver agora alguns sistemas que estão muito presentes na Bioarquitetura:

 

Sistema de ventilação natural

Além de renovar constantemente o ar que circula dentro do edifício, a ventilação natural torna o ambiente interno mais confortável e, até mesmo, mais saudável. Além disso, torna dispensável o uso de ar-condicionado ou ventiladores. Como exemplo, temos a ventilação cruzada. 

 

Sistema de luz natural

É o melhor aproveitamento da luz natural nos diversos cômodos da construção. Porém, o projeto precisa ser bem planejado para que o uso de vidros comuns não vire uma espécie de estufa durante os dias mais quentes. 

 

Uma solução é o uso de vidros temperados ou laminados que são capazes de filtrar os raios solares impedindo que eles aqueçam o ambiente.

 

Telhas ecológicas

As telhas ecológicas possuem diversas vantagens em relação às telhas tradicionais. Por exemplo:

  • São mais leves; 
  • Podem refletir até 60% da luz solar; 
  • São mais resistentes à umidade e agentes químicos;
  • São termoacústicas. 

 

Muitas pessoas pensam, de maneira errônea, que projetos baseados na Bioarquitetura são mais caros. Porém, quando um dos grandes objetivos é a sustentabilidade, é necessário pensar no médio e no longo prazo. 

 

Desta forma, mesmo que a fase construtiva seja um pouco mais cara, com a redução do consumo energético, por exemplo, a compensação vem no médio prazo. 

 

Gostou de saber mais sobre a Bioarquitetura? E que tal você continuar se atualizando sobre temas relacionados com a construção civil e a sustentabilidade? Outros posts que podem te interessar:


Continue acompanhando os nossos posts aqui na Universidade Trisul.