Mercado imobiliário: quais as preferências dos consumidores no pós-pandemia?

Entenda as principais mudanças que a pandemia gerou no comportamento do consumidor na busca de imóveis

Imagem: Ken Tomita no Pexels

Assine a newsletter
da Universidade Trisul

 

Quem pensou que o fantasma do coronavírus iria ficar em 2020, enganou-se: o ano de 2021 começou com picos de contaminação, novas medidas de lockdown. E mesmo com a chegada da vacina, estamos percebendo que ainda irá demorar um pouco para voltarmos a uma certa normalidade.

Muitos especialistas falam sobre o “novo normal”, ou seja, a pandemia (e suas consequências) estão criando novos hábitos e rotinas que deixarão o “antigo normal” para trás. 

 

Independentemente das projeções mais ou menos otimistas, o fato é que todas essas medidas restritivas impostas para conter o avanço da pandemia afetou, profundamente, o comportamento do consumidor. E isso se reflete muito no mercado imobiliário. 

 

Por isso, neste post vamos entender quais são as novas preferências dos consumidores no mercado imobiliário para o pós-pandemia. 

 

Principais mudanças impostas pelas medidas de isolamento devido à pandemia

Muitos municípios, desde final de março de 2020, impuseram diversas medidas restritivas de circulação de pessoas, chamada por muitos de quarentena.

 

Algumas cidades conseguiram boas taxas de isolamento, em torno de 60%. E como isso afetou o cotidiano das famílias? De algumas formas, tais como:

  • Home office: muitas pessoas começaram a trabalhar de casa. Isso exigiu ter um espaço apropriado e silencioso para as reuniões, assim como ter uma internet com fibra ótica;
  • Filhos pequenos: muitas famílias ficaram sem as babás ou os familiares para ajudarem com a rotina de cuidados dos bebês menores. As creches foram fechadas. Ou seja, bebês e crianças pequenas totalmente em casa, com opções de lazer muito limitadas pelo ambiente doméstico;
  • Filhos em idade escolar: para as famílias com filhos em idade escolar, houve o desafio das aulas remotas. As crianças precisavam ter um espaço e equipamentos adequados para poderem acompanhar as aulas;
  • Lazer: com as opções de lazer fechadas, e a impossibilidade de usufruir dos espaços comuns dos condomínios (como a piscina), muitos adultos e crianças viram-se trancados em espaços reduzidos, com poucas opções de entretenimento (apenas televisão e internet).

As novas preferências dos consumidores para o mercado imobiliário

Todas essas mudanças de rotinas acabaram influenciando os desejos dos consumidores acerca da moradia e começaram a priorizar alguns novos aspectos na busca de imóveis.

 

O estudo A Influência do Coronavírus no Mercado Imobiliário levantou esses novos atributos que as pessoas passaram a valorizar como importantes ou muito importantes. 

 

Em ordem de preferência, foram:

  • Imóvel localizado em uma vizinhança com mais comércios e serviços;
  • Ambientes mais divididos;
  • Imóvel com varanda;
  • Imóvel com vista/visão desimpedida.

 

Além disso, nesta mesma pesquisa, quando perguntados sobre o que muda no imóvel desejado para compra depois da pandemia, os respondentes apontaram as principais características desejadas:

  • 60% prioriza vista/visão desimpedida;
  • 52% quer um número maior de quartos;
  • 52% deseja mais área útil;
  • 44% vai procurar imóveis com mais banheiros;
  • 32% quer morar em um andar mais alto.

 

Ou seja, algumas prioridades mudaram, pois as pessoas começaram a passar mais tempo em casa e a valorizarem o conforto.

 

Assim, podemos resumir essas novas tendências para o mercado imobiliário no pós-pandemia em três grandes priorizações por parte do consumidor.  

 

Espaço para home office

Como muitas empresas pretendem adotar o trabalho remoto (mesmo que parcialmente) para o pós-pandemia, isso acabou valorizando:

  • Imóveis já planejados com um ambiente pensado para o home office;
  • Imóveis mais distantes dos grandes centros urbanos, pois o trabalho remoto flexibiliza, em parte, esta questão de localização. Porém, é necessária uma determinada infraestrutura, como a região contemplar internet de fibra óptica.

Imóveis mais amplos

Os imóveis com um número maior de ambientes, assim como maior metragem, estão sendo mais valorizados pelas famílias. 

 

Com a necessidade de ficar em casa, as pessoas perceberam que os espaços muito compactos podem ser um gerador a mais de desconforto e de conflitos. 

 

Contato com a natureza

As pessoas também começaram a valorizar mais o contato com a natureza. Por isso, imóveis com vista desimpedida e com varanda estão sendo priorizados nesta busca por imóveis. 

 

Os espaços com varanda possibilitam a criação de uma própria horta ou jardim em casa, oferecendo um hobby para muitas pessoas. Para termos uma ideia de números, Google Trends apontou que a busca pelo termo “kit de jardinagem” aumentou em 180% no Brasil entre março a julho de 2020. 

 

Assim, é importante que as construtoras, assim como os corretores de imóveis, percebam essas novas tendências e desejos dos consumidores, pois irão impactar em todo mercado imobiliário.

 

Gostou do nosso post? E que tal continuar atualizado sobre o mercado imobiliário e as tendências para a construção civil? Acompanhe sempre nossos posts aqui na Universidade Trisul.