Por que pensar no Sistema de Segurança Condominial ainda na fase de projeto

Pensar estrategicamente a segurança do empreendimento durante a sua construção pode evitar problemas e gastos desnecessários. Confira:

Foto de ElasticComputeFarmno Pixabay 

Assine a newsletter
da Universidade Trisul

 

Sentir-se seguro certamente é um dos requisitos mais importantes ao comprar ou alugar qualquer imóvel, seja ele residencial ou comercial. 

 

Mas para garantir a proteção dos moradores, é essencial que o sistema de segurança condominial seja planejado e estruturado ainda durante a concepção do projeto arquitetônico do empreendimento. 

 

Segundo especialistas da área, voltar os olhos para a segurança dos empreendimentos no início do seu escopo impacta diretamente na administração do condomínio. 

 

Ou seja, ao planejar o sistema de segurança durante a construção — e de preferência contando com o apoio de uma consultoria — evitam-se improvisações e intervenções desnecessárias no futuro.

 

Por isso, o ideal é que haja a elaboração de um Sistema de Segurança Condominial, contendo memorial descritivo, plantas e integrando seus diversos subsistemas ao projeto de arquitetura e paisagismo — algo que até o momento não é obrigatório no Brasil. 

 

Consultoria de segurança

Por meio da consultoria de segurança é possível desenvolver um projeto estratégico de segurança adequado às necessidades da região e do empreendimento. 

 

Com o auxílio destes especialistas, os engenheiros e arquitetos conseguem entregar um empreendimento totalmente pronto para implementar um Sistema de Segurança Condominial completo e eficiente.

 

Para isso, o consultor leva em consideração elementos como o entorno da área em que se pretende construir e o nível de segurança da vizinhança, e assim consegue sugerir as melhores áreas de acesso, entradas inteligentes e os equipamentos de segurança ideais, levando em conta a qualidade e os valores dos mesmos.

 

A consultoria inicia ainda durante o escopo do projeto e também desenvolve políticas, procedimentos operacionais e treinamentos para os administradores, funcionários do empreendimento e para os moradores. 

 

Subsistemas de Segurança Condominial

Para ser efetivo, um Sistema de Segurança Condominial deve compreender diversos subsistemas. São eles:

 

Controle de Acesso de Pedestres ao Empreendimento

Compreende todas as barreiras físicas e seus recursos de identificação para permissão ou impedimento do acesso ao condomínio. Exemplo: portões, catracas, torniquetes, portas giratórias, entre outros.

 

Controle de Acesso de Veículos

São as barreiras que possuem tecnologia para identificar os veículos e seus condutores. Pode compreender também o controle do número de vagas de estacionamento. 

 

Controle de Acesso ao Interior do Condomínio

Restrições para acesso às portas que dão entrada às torres ou blocos, áreas comuns e garagens. Podem ser automatizadas e incluir identificação biométrica. 

 

Controle de Acesso às Unidades Autônomas

Diz respeito a uma série de recursos eletrônicos e mecânicos que tem como objetivo controlar o acesso a partir do hall de entrada dos apartamentos. De responsabilidade do proprietário ou morador do empreendimento.

 

Restrição, Inibição e Comunicação de Alteração de Padrão

São os equipamentos instalados em locais estratégicos e que detectam, alertam, alarmam e/ou reagem produzindo comandos lógicos a circuitos pré-estabelecidos. Como por exemplo, uma cerca elétrica que aciona câmeras.

 

Circuito fechado de TV
Recursos e tecnologias utilizados para captar e gravar imagens por meio de câmeras dotadas ou não analíticos de vídeo.

 

Subsistema de iluminação

Como o próprio nome já diz, está relacionado com atendimento do projeto luminotécnico para aplicação na visão humana e tecnológica.

 

Subsistema de Comunicação

São os recursos e meios de contato de voz e/ou dados aplicados na transmissão de informações entre moradores, visitantes, equipe operacional local e/ou remota. Um exemplo clássico são os Interfones instalados em todos os pontos de acesso.

 

Central de Integração da Infraestrutura eletroeletrônica

Chamada de Sala Técnica, é o local onde estão reunidos todos os circuitos aplicados nos subsistemas, assim como os serviços de manutenção. 

 

É necessário que o ambiente possua climatização e controle de acesso contra vandalismos e sabotagens.

 

Subsistema de Operações

É o ambiente onde são operados todos os subsistemas, de forma local como a portaria ou remota, como uma Central de Comando Operacional – CCO.  

 

Possui autonomia sobre as rotinas, exceções e contingências. O local deve ser climatizado e ter acesso restrito.

 

Vantagens de investir na segurança condominial

Além de contribuir para uma boa gestão condominial, um sistema de segurança planejado e estruturado durante a obra e que compreenda os subsistemas que citamos acima possui uma série de vantagens. Confira abaixo algumas delas:

  • Demonstra empatia: uma incorporadora que investe na segurança do seu empreendimento se mostra realmente preocupada com a segurança dos futuros moradores. Com certeza, essa demonstração de empatia impactará positivamente na decisão de compra. 
  • Economiza tempo e dinheiro: inaugurar um empreendimento já com todos os equipamentos e tecnologias necessárias para garantir uma boa segurança condominial evitará ajustes e reparos em áreas recém construídas. 
  • Garante a segurança da obra: o auxílio de uma consultoria de segurança durante a fase de projeto inclui também a assessoria para a segurança da própria obra. Com isso também há redução de custos com a própria portaria da obra, além de evitar furtos de materiais.

 

O bom funcionamento de um empreendimento apresenta várias características e a segurança condominial é uma delas. 

 

Continue sempre atualizado sobre informações para sua vida em condomínio e construção civil, aqui na Universidade Trisul.